Publisher: AFRICANAMENTE ~ Imperadores do Samba

9/13/2017

Arquivado como:

AFRICANAMENTE

Compartilhar
AFRICANAMENTE

Há um pouco mais de um ano, Imperadores declarou cantar a bravura de uma mulher transgressora e revolucionária. E em tempos de resistência social e política, o Mar Vermelho e Branco se fez Resistência na avenida. O legado que Frida nos deixou propôs uma nova forma de enxergar o carnaval e de mostrar o quanto essa cultura é importante. SOU FRIDA E NÃO ME KAHLO diante da injustiça, da opressão e da perseguição.
Hoje, estamos vivendo um processo de busca por nossas raízes para crescermos e lutarmos firmes. Tal qual nossa vida em sociedade, o carnaval vem buscando força. O samba, que já foi criminalizado, ressurge, transcendendo o conceito de identidade sociocultural. Identidade negra, resistente, guerreira. E é através do samba, da força negra, que Imperadores se fará valer de sua magnitude e adentrará a avenida erguendo ainda mais altiva a sua bandeira de resistência.

No Carnaval de 2018, Imperadores do Samba convida a cantar a África de cada um de nós e a nossa negritude. Não qualquer África; MAS O NOSSO MODO DE SER ÁFRICA. Celebrar a África é, acima de tudo, um momento de resgate. É uma exaltação à espiritualidade da alma africana, à genialidade da mente africana, à fibra e à beleza do corpo africano, ao sentimento de emoção de ser África.

Tentam nos prender em grilhões modernos, mas a nossa força é maior. Tentam cercear nossos direitos, sem saber que quanto mais nos reprimem, mais fortes a gente se torna. Nosso orgulho negro grita ao mundo, desfilando o cabelo black empoderado pela calçada; protagonizando nos palcos, no cinema, na televisão, no telejornalismo, nas passarelas, na política, na ciência, no dia a dia.

O carnaval, muito mais do que uma manifestação artística, também é painel para a crítica social. Diante de toda essa onda de repressão que nós, sambistas, estamos sofrendo, nada mais justo e primordial de que a escola de samba, o nosso quilombo urbano, moderno, seja porta-voz em defesa da nossa gente. 

É para celebrar a nossa negritude que estamos aqui. É para fazer calar àqueles que querem nos oprimir, nos sufocar. Fisicamente, socialmente, institucionalmente. A África da criação do mundo, que inspira genialidade e nosso orgulho interior. A África que vai além do existir, que resiste e reage às ações que nos são impostas. Mostrar o nosso existir e promover as novas atitudes. Meus amigos, façamos da nossa escola de samba a nossa tribuna. O nosso altar público que vai lutar pelo que nós acreditamos. E vamos fazer valer o nosso jeito de ser e existir.

IRMÃOS DE PELE E DE ALMA, CONSCIENTES, BUSQUEMOS RESPEITO!

E cantemos, em uma só voz, o nosso jeito de ser África!

A ÁFRICA DE CADA UM DE NÓS.

África na Mente

O SANGUE NEGRO QUE CORRE EM NOSSAS VEIAS!

Africana Mente

O PODER DO NOSSO QUILOMBO URBANO DE IMPERADORES DO SAMBA!

AFRICANAMENTE.

0 comentários:

Postar um comentário

Clipe do Tema 2018